26/04/2012
Primeiro atlas do trabalho escravo no Brasil

Atlas apresenta panorama espacial da escravidão contemporânea, visando o norteamento de políticas públicas

O Atlas do Trabalho Escravo no Brasil foi lançado em 16 de abril pela OSCIP Amigos da Terra – Amazônia Brasileira. O trabalho tem o apoio da Organização Internacional do Trabalho – OIT, que implementa desde 2002 o Projeto de Combate ao Trabalho Escravo. Foi realizado por uma equipe de geógrafos da USP e Unesp -- Neli Aparecida de Mello, Julio Hato e Eduardo Paulon Girardi -- e Hervé Théry, pesquisador  francês do Centre National de la Recherche Scientifique – CNRS, professor convidado das universidades de São Paulo e de Brasília e coordenador editorial da revista franco-brasileira Confins.

A obra caracteriza a distribuição, os fluxos, as modalidades e os usos do trabalho escravo no país, nas escalas municipal, estadual e regional, utilizando fontes oficiais, como as do Ministério do Trabalho e do Emprego. Os principais dados mapeados sobre o fenômeno foram os referentes a denúncias e libertações.

O trabalho traz dois importantes índices para o norteamento de políticas públicas: Probabilidade de Trabalho Escravo e Vulnerabilidade ao Aliciamento (veja os mapas ao lado). O primeiro é uma ferramenta que permite medir os riscos, colocando em foco as áreas de ocorrência. O segundo apresenta as áreas de origem de escravos e aponta para regiões onde o poder público deve agir com urgência no sentido de prevenir o trabalho escravo e proteger grupos vulneráveis.

O mapeamento também traz o perfil típico do escravo brasileiro do século 21: migrante proveniente do Maranhão, do norte do Tocantins ou do oeste do Piauí, de sexo masculino e analfabeto funcional, que foi levado para as fronteiras móveis da Amazônia, em municípios de criação recente, onde é utilizado principalmente em atividades vinculadas ao desmatamento.

A análise empreendida das estruturas, padrões, fluxos e tendências da escravidão contemporânea permite compreender a distribuição do fenômeno no território brasileiro, que se concentra em áreas específicas relacionadas a determinadas atividades econômicas, e identificar de maneira espacial as situações que favorecem ou inibem o trabalho escravo.

O atlas está disponível online no site
http://amazonia.org.br/wp-content/uploads/2012/04/Atlas-do-Trabalho-Escravo.pdf

Postado por: CenDoTeC



1 comentário(s) para "Primeiro atlas do trabalho escravo no Brasil"

Maria Adélia de Souza disse:

Parabens aos autores pelo excelente e necessário trabalho para o aprofundamento do conhecimento sobre a escrevidão no Brasil.
2012-05-16 03:05:33


Deixar um comentário

Nome (obrigatório)

E-mail (não será publicado) (obrigatório)

Website

 
Busca